Horizonte vertical.

Vezes mais fraca, vezes mais doce, um pouco mais triste ou feliz.

Forte, quando o jeito é ser. E ponto final.

Sigo, rumo a uma estrada linda, tão linda.

Coberta de sonhos flutuantes que se escondem naquelas nuvens de algodão.

Sinta, o aroma das flores. Transbordando veneno doce e mortal.

Veja só! Quanta neblina!

Uma caminhada longa e silenciosa.

As cicatrizes?

Ah!
Elas continuam… escorrendo pelos olhos.

Envolvendo esse corpo frágil, cheio de sentimentos inteiros e inúteis.

O filme continua. Só que dessa vez, em preto e branco.

Com sua licença,

Preciso partir.


Fim de Semana.

Abro os olhos e aos poucos vou reconhecendo o lugar… sorrio.                                  Em poucos segundos sinto seus braços invadindo meu espaço e me envolvendo junto com o intenso calor de seu corpo.                                                                                   Viro lentamente para finalmente e perigosamente te encontrar.                                 A fumacinha do café sobre o criado mudo vai desaparecendo no ar. E a luz que entra pela janela me indica o lugar.                                                                                     Ondas de som fazem com que sua voz chegue até os meus ouvidos, com um tom particular, diferente do comum.                                                                                                  – Sua voz  muda. Muda conforme o ritmo da conversa, das ações. Muda pra falar baixinho no canto do ouvido, muda pra causar arrepio, muda pra falar sério. –                                                                                                                                                                                                                                         Sem preocupações beijo lentamente sua boca. Sem pausa pra respirar. Seus lábios entreabertos movimentam-se conforme o ritmo silencioso do quarto. Então com os olhos fechados sinto aquela sensação me invadir novamente.                                       Paralisada permaneço. Um instante, um milésimo de segundo observando.                                                                                                  Para finalmente ter certeza. Estou na minha fortaleza.                                                                                                                                              Desenhos começam a surgir no seu rosto, seus olhinhos quase fechados e o sorriso assanhado em seus lábios formam aquelas pequenas covinhas do lado da boca.                                                                                                                                                          Nesses instantes algo acontece dentro de mim e eu não sei descrever.  É bom.                                                                                           A flor colhida à algumas quadras dali, está presa atrás da minha orelha. As pantufas que me chamam continuam sem meus pés, pois, dali não saio.                                                                                                                                                                                                                Não quero sair da fortaleza… Mas quando percebo, já estou longe dela.

Longe.

Sozinha em minha cama acordo. Sentada olhando o vazio do meu quarto frio. Sua imagem surge sorrindo. Então não resisto em rir sozinha. Fantasio o próximo fim de semana. Me desespero em viver. 120 horas até lá.                                               Vale a pena esperar. Nem que seja para admirar um único sorriso seu. Vale a pena.


Psiu, silêncio.

– [silêncio] substantivo masculino.
Sinônimos: paz, sossego,tranquilidade ?

Muito além disso.

O silêncio é ilimitado. Indecifrável. Talvez impossível de ser definido.    Para compreendê-lo você deve seguir as regras que ele impõe.               Então tente ler esse texto em silêncio, observando todos os ruídos à sua  volta, aposto que irá notar sons que  não havia percebido que estavam fazendo parte da sua atmosfera.                                                                                            Mas se você não ouvir nada. Sorte sua. Porque é raro  lugares silenciosos. Sem ao menos um único som.                                                                                            Estamos tão acostumados com seus antônimos: barulho, agitação, gritaria, falação, cochicho, etc. Que  o silêncio deveria ser venerado.

Quando alguém te pede um minuto de silêncio, por luto.                                                                                                                                 Para que serve? Refletir. Lembrar. Respeitar. Orar. Chorar por dentro. Despedir-se sem falar. Acalmar-se. (…)                          São tantas as possibilidades!

Quando alguém te observa em silêncio. O que você pensa, o que sente?                                                                                                   Como lidar e decifrar alguém que usa o silêncio como arma? Esse poderoso ato de manter-se calado.                                               Se algum dia você se deparar com alguém que te olha nos olhos sem falar nada, mas com um olhar tão forte que parece te petrificar ou arrancar tua alma.                                                                                                                                                                                   Acredite, você nunca mais esquecerá essa pessoa.                                                                                                                                                      Só basta um olhar acompanhado do intrigante silêncio. E pronto.

Dormir. Quando dormimos estamos buscando o silêncio interior que pouco usamos. É como fechar os olhos e repentinamente ouvir a orquestra que o  silêncio é capaz de fazer. Quando acaba a sinfonia. Despertamos.                                 Já experimentou dançar no silêncio?

O seu poder é mortal, é fatal, pode causar guerra e paz.                                                                                                                                     Quando passamos por grandes “turbulências” necessitamos silenciar.                                                                                                                É tão raro, que em algumas ocasiões, sua presença pode assustar e causar desconforto.                                                                     Pra que respostas faladas?                                                                                                                                                                                    Deveriam colocar placas por aí pedindo: Precisamos de um pouco mais da ausência do som.

Incerteza, frustração, infelicidade, segredo, pensamento, reflexão, ódio, amor, sofrimento, calmaria, fuga, concentração, respeito, harmonia, agonia,  admiração, paz. (…)                                                                                                                                                       Quantos sentimentos e atos mudos podem se refugiar atrás do silêncio? Infinitos.

Pense nisso. Pratique um pouco mais. Lembre-se, se não houver a necessidade de falar, simplesmente cale-se.

Silêncio! Silence ! Σιωπή !

Você quer optar pelo silêncio?

A escolha é sua.

“O exercício do silêncio é tão importante quanto a prática da palavra.” William James.

“É melhor ser rei de teu silêncio do que escravo de tuas palavras.” William Shakespeare.


Seres Humanos

“Seres humanos foram feitos para outros seres humanos. Boa sorte para aquele que acha que pode viver sozinho, isolado nesse mundo.”


Nostalgia

Na noite anterior atravessei mil anos, tentando encontrar as coisas mais preciosas e marcantes que todo o caos de uma vida agitada me fez esquecer.

Dentre algumas memórias cinzentas e esfumaçadas, que não consegui identificar e, entre outras bem definidas como em um trailer em HD, identifiquei de bem longe uma pseudo-ponte com três corpos “psicodélicos” que estavam sorrindo pra mim. Eu corri (…) e confesso que corri muito em busca daquele reencontro. Talvez um reencontro comigo mesma.

As vezes me questiono. Qual é o melhor momento de uma vida? O ápice. Ele existe? Cada lembrança é única, distinta e incomparável. Sempre pensei assim.

Resolvi então me contrariar e comparar algumas das minhas memórias, para ver se chegaria a alguma conclusão. Se já havia encontrado esse tal ápice, ou deveria esperar a sua chegada.
Comparei a mais bela paisagem, aquela praia paradisíaca.
A mais incrível mansão, onde as paredes eram de vidro.
Aquele filme, com aquela história incrível, que me fez tapar a boca e chorar.                                                                                                  Quando tomei decisões importantes.
O dia que passei no vestibular.
Quando disse “Eu te amo” para aquele rapaz.
Quando fiz loucuras, sem pensar no amanhã.
Ou quando ganhei aquilo que sempre desejei.

Não cheguei a nenhuma conclusão. Acho que essa conclusão definitivamente não existe. Pura nostalgia.

Melhores amigos. Um tempo que nem faz tanto tempo assim. Aquele tempo em que a arrogância, egoísmo, e desavenças não existiam entre nós.

Velhos tempos? Não sei.

Todos os dias penso em como as coisas mudam e, olha que mudam pra valer, as pessoas crescem e envelhecem, tanto a mente quanto o corpo.
Momentos de relações positivas e negativas.
Turbulências.
Negligências.
Imprudências.

A realidade é que nem tudo na vida é como a gente quer ou planeja. Não é como nas histórinhas de novela. Sempre pensei que só consegue andar quem arrisca dar o primeiro passo e mesmo caindo levanta, sei lá, mais ou menos assim.
Acho que as dores da distância e as saudades que tenho de meus amigos, estão indo embora. Lentamente.

Vejo que posso conquistar tudo o que perdi. Se é que perdi.

Meus amigos. Posso lhes dizer que mesmo na ausência de ar, me sufocando num último suspiro, ainda terei forças para dizer em um único sussurro: amo vocês.

“On ne voit bien qu’avec le coeur.
L’essentiel est invisible pour les yeux.”

Antoine de Saint-Exupéry.